Morreu o jornalista Carlos Veiga Pereira

Publicado a 30/12/2018

Detentor da carteira profissional com o número 01A, foi o primeiro presidente do Conselho Geral do Sindicato dos Jornalistas. Cerimónias fúnebres realizam-se domingo e segunda-feira.


O jornalista Carlos Veiga Pereira, detentor da carteira profissional com o número 01A, morreu este sábado, aos 91 anos, numa unidade hospitalar de Lisboa.
As cerimónias fúnebres do jornalista vão acontecer na Basílica da Estrela e no Cemitério dos Olivais, em Lisboa, hoje, domingo, e na segunda-feira.
O corpo estará hoje em câmara ardente, entre as 17:00 e as 19:30, na Basílica da Estrela, onde se realizará uma homenagem, na segunda-feira, às 10:30, antes de o funeral sair, às 12:00 para o Cemitério dos Olivais, onde será cremado.
Veiga Pereira detinha, depois da mais recente atualização feita pela Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, a carteira profissional número 01A.
Com uma carreira totalmente dedicada ao jornalismo, Carlos Veiga Pereira foi diretor de informação da Agência Noticiosa Portuguesa (ANOP) e da RTP.
Carlos Veiga Pereira foi um dos seis jornalistas eleitos em abril de 1975, por sufrágio direto, para representar a classe no Conselho de Imprensa, funções que exerceu gratuitamente até 1981, e foi o primeiro presidente do Conselho Geral do Sindicato dos Jornalistas, no biénio 1991/92, órgão de que continuou a ser membro até hoje. Aliás, integrou a Lista A para o Conselho Geral às últimas eleições, em 2018.
Em 1998, foi eleito pelos jornalistas detentores de carteira profissional para a Alta Autoridade para a Comunicação Social, cargo que desempenhou até à extinção deste órgão.
Esteve preso em 1951, juntamente com Agostinho Neto, quando pertenciam ao MUD Juvenil, devido a um abaixo-assinado pela paz. Na sequência da sua atividade política, foi enviado, em 1953, como soldado para a Companhia Disciplinar de Penamacor, por apoiar os movimentos de independência das colónias portuguesas.
Opositor ao regime do Estado Novo, Carlos Veiga Pereira nasceu em março de 1927 em Sumbe (antigo Novo Redondo), em Angola, filho de um funcionário administrativo e de uma professora primária, e cedo revelou gosto pela escrita literária e jornalística.
Ainda no liceu, foi diretor e redator de “Mefisto”, periódico editado por um grupo de alunos do Liceu Nacional de Salvador Correia, em Luanda, um jornal que não estava submetido ao controlo dos docentes. No liceu, estabeleceu laços de amizade com Agostinho Neto, Lúcio Lara e Eduardo dos Santos.
Na Universidade de Coimbra, foi editor da “Via Latina”, órgão da Associação Académica da Universidade de Coimbra, e diretor de “Meridiano”, órgão da delegação da Casa dos Estudantes do Império (CEI), a primeira publicação editada em Portugal pelos estudantes das colónias.
Frequentou depois a Faculdade de Ciências de Lisboa, onde teve uma intensa atividade na Associação de Estudantes, e, como diretor da secção cultural, promoveu conferências de intelectuais e exposições de artistas plásticos como Mário Dionísio, António Sérgio e Júlio Pomar.
Ingressou no jornalismo em 1954, na delegação de Lisboa de “O Primeiro de Janeiro”, e foi um dos fundadores do Diário ilustrado (1956), com Miguel Urbano Rodrigues, Victor Cunha Rego e José Manuel Tengarrinha, tendo coordenado o Suplemento Económico até à intervenção das forças da ditadura do Estado Novo.
Redator do jornal República (1957/1958), do Diário de Lisboa (1959/1961), onde foi chefe de redação, do Jornal Novo, do semanário Jornal de Letras e Artes, foi também colaborador da agência noticiosa France Press e fez parte da redação do mensário Seara Nova, de tendência socialista e democrática, numa colaboração cívica sem remuneração.
Esteve exilado durante dez anos, em Paris (1962/1972), onde tirou o curso do Institut Français de Presse, trabalhou no Centre de Formation des Journalistes e depois na ORT (Office de Radiodifusion et Télévision Française), e também colaborou com o “Le Monde”.
Em Paris, foi representante da Frente Patriótica de Libertação Nacional e fundador e dirigente do Movimento de Ação Revolucionária (MAR).
Regressa a Portugal em outubro de 1972, durante a primavera marcelista, e é depois nomeado diretor de Informação da RTP, cargo de que se demitiu em outubro de 1976, na sequência de pressões políticas do governo PS.
Trabalhou na ANOP, como redator e diretor de informação, entre 1979 e 1992, altura em que se reformou. Era casado com a professora catedrática e historiadora Miriam Halpern Pereira.