Acordo histórico para freelance na Dinamarca

O Sindicato de Jornalistas Dinamarqueses e a Aller Press, entidade que controla 80 por cento do mercado de revistas da Dinamarca, assinaram um acordo que estabelece que os freelance passam a ter o direito de estar representados em negociações, à semelhança dos jornalistas que trabalham por conta de outrem.

O acordo – que contém cláusulas importantes no que respeita à protecção dos direitos de autor dos jornalistas freelance que façam trabalhos para os membros da Aller Press – ocorreu após seis meses de luta e foi assinado no final da passada semana, mesmo a tempo de evitar um boicote de freelance às revistas da Aller Press que estava previsto começar hoje, 3 de Setembro.

“A ameaça de um boicote de freelance combinada com a clara vitória no tribunal do trabalho foram muito importantes para as negociações”, afirmou o presidente do Sindicato de Jornalistas Dinamarqueses, Blicher Bjerregård, sublinhando que “as negociações com a Aller Press foram construtivas e decorreram num bom ambiente”.

Congratulando-se com mais esta vitória para a classe na Escandinávia, o secretário-geral da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), Aidan White, realçou que o acordo alcançado na Dinamarca pode ter “repercussões importantes para os freelance noutros pontos da Europa” e adiantou que “os sindicatos de jornalistas vão estudar os acontecimentos na Dinamarca com atenção” para se inspirarem para novas acções.

Reacção do SJ

No mesmo sentido se pronunciou Alfredo Maia, presidente do SJ, afirmando que “a vitória alcançada pelos nossos camaradas dinamarqueses mostra que os freelance só verão os seus direitos efectivamente reconhecidos se estiverem unidos e que o suporte essencial para essa unidade é a organização sindical”.

Em declarações ao sítio do SJ, Alfredo Maia lembrou que “entre nós também há problemas de reconhecimento de direitos dos jornalistas em regime de trabalho independente”, e que “para os resolver é necessário reforçar a sua ligação ao Sindicato e envolver os freelance nas lutas pelos direitos dos jornalistas”.

“Neste mandato – garantiu o presidente do Sindicato – vamos desenvolver várias iniciativas descentralizadas e temáticas para dinamizar os jornalistas, incluindo os freelance.