FIJ condena Israel por medidas contra delegação da Al Jazeera

Publicado a 07/08/2017

Executivo de Benjamin Netanyahu anunciou intenção de encerrar instalações da cadeia televisiva do Qatar em solo israelita, acusando-a de incitar à violência.


A Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) condenou Israel pelo anúncio, através do Ministério israelita das Comunicações, da intenção de encerrar a delegação da cadeia televisiva Al Jazeera. O Executivo liderado por Benjamin Netanyahu acusa a televisão qatari de incitar à violência depois de, nos últimos anos, considerar que é parcial no acompanhamento do conflito entre israelitas e palestinianos.

"Trata-se de um ataque à liberdade de imprensa e ao pluralismo da informação", considerou Philippe Leruth, presidente da FIJ. "Se alguma informação veiculada pela Al Jazeera estava errada, as autoridades israelitas tinham a possibilidade de exercer o seu direito de resposta. Escolhendo não o fazer e, por outro lado, juntando-se a uma campanha internacional contra a cadeia de televisão, passam a imagem de pretenderem silenciar uma voz que não lhes agrada, algo que é contrário aos valores democráticos que representam", acrescentou.

Os responsáveis pelo referido ministério revelaram, através de comunicado, que vão solicitar o cancelamento das credenciais emitidas para os jornalistas da estação, bem como o final das ligações por cabo e via satélite da Al Jazeera. Em simultâneo, o Ministério da Segurança Interna desencadeia o processo de encerramento das instalações da televisão.

Em conferência internacional realizada no final de julho, em Doha, no Qatar, cerca de duas centenas de jornalistas e ativistas de Direitos Humanos manifestaram a sua solidariedade em relação aos trabalhadores da Al Jazeera, considerando que a exigência de fecho da estação televisiva era uma violação à liberdade de imprensa e de expressão. Também o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos se referiu à exigência como sendo "inaceitável", uma vez que "compromete a liberdade de informação".

Recorde-se que, no passado dia 5 de junho, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrain e Egipto cortaram relações diplomáticas com o Qatar, exigindo, entre as medidas para o reatamento da ligação, o encerramento da Al Jazeera e de vários outros órgãos de comunicação.